Bem Vindo ao Blog do Pêga!

Bem Vindo ao Blog do Pêga!

O propósito do Blog do Pêga é desenvolver e promover a raça, encorajando a sociedade entre os criadores e admiradores por meio de circulação de informações úteis.

Existe muita literatura sobre cavalos, mas poucos escrevem sobre jumentos e muares. Este é um espaço para postar artigos, informações e fotos sobre esses fantásticos animais. Estamos sempre a procura de novo material, ajude a transformar este blog na maior enciclopédia de jumentos e muares da história! Caso alguém queira colaborar com histórias, artigos, fotos, informações, etc ... entre em contato conosco: fazendasnoca@uol.com.br

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A Mula na Independência do Brasil

grito-do-ipiranga

Você pode se perguntar o que uma mula tem a ver com a Independência do Brasil, trata-se da presença de uma mula baia, montada por D. Pedro I no famoso "Grito do Ipiranga", brado de independencia feito em 1822 por D. Pedro I,  primeiro Imperador do Brasil,  às margens do Ipiranga, em São Paulo,  o que marcou o nascimento do Brasil como um país independente.

Tal relato consta do livro " 1822 - Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro  ajudaram D. Pedro a criar  o Brasil- um país que tinha tudo para dar errado"-  do autor Laurentino Gomes-  Editora Nova Fronteira Participações S. A.

Tal fato está narrado às pags.29/30 da obra citada:

" A montaria usada por D. Pedro nem de longe lembrava o fogoso alazão que, meio século mais tarde, o pintor Pedro Américo colocaria no quadro " Independencia ou Morte", também chamado de " O Grito do Ipiranga", a mais conhecida cena do acontecimento. O Coronel Marcondes se refere ao animal como " uma besta gateada".  Outra Testemunha, o padre mineiro Belchior Pinheiro de Oliveira, cita " uma bela besta baia".  Em outras palavras , uma mula sem nenhum charme, porém forte e confiável. Era esta a forma correta e segura de subir a Serra do Mar naquela época de caminhos íngremes, enlameados e esburacados.

Foi portanto, como um simples tropeiro, coberto pela lama e a poeira do caminho, às voltas com as dificuldades naturais do corpo  e de seu tempo, que D. Pedro proclamou a independencia do Brasil. A cena real é bucólica e prosaica, mais brasileira e menos épica do que a retratada no quadro de Pedro Américo. E ainda assim importantíssima. Ela marca o início da história do Brasil  como nação independente.

Texto enviado por: Luiz Fernando Caldas Villela de Andrade, Muladeiro, São José dos Campos/SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário