Bem Vindo ao Blog do Pêga!

Bem Vindo ao Blog do Pêga!

O propósito do Blog do Pêga é desenvolver e promover a raça, encorajando a sociedade entre os criadores e admiradores por meio de circulação de informações úteis.

Existe muita literatura sobre cavalos, mas poucos escrevem sobre jumentos e muares. Este é um espaço para postar artigos, informações e fotos sobre esses fantásticos animais. Estamos sempre a procura de novo material, ajude a transformar este blog na maior enciclopédia de jumentos e muares da história! Caso alguém queira colaborar com histórias, artigos, fotos, informações, etc ... entre em contato conosco: fazendasnoca@uol.com.br

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Raças de Jumentos – Parte 13

  Mais algumas raças para vocês conhecerem…
  • Amiata / Micci Amiatini

 image_thumb3[1]

O jumento Amiata é uma antiga raça Italiana. É aborigene de asininos selvagens africanos e sua presença está documentada no período etrusco por pintura em louça (Grzimek, 1969). Sua prevalência pode ser identificada nas montanhas Amiata, onde no início de 1900 haviam cerca de 2.500 animais. Os menores números foram registrados durante o período de 1970-1980, mas a raça tem sido mantida fora de extinção por causa da diligência do Instituto Ipopico Incremento de Pisa, que manteve um grupo de animais em sua fazenda em Cernaia, perto de Grosseto, poupando diferentes linhagens (Baroncini 1987).

 image_thumb10

Hoje em dia, o jumento Amiata é considerado uma raça em risco de extinção pelo Biodiversity Committee of European Parlament (NL 215/90), FAO (FAO, 2000) e pelo "Monitoring Institute for Rare Breed and Seed in Europe" (2001). Em 1993, a Associação de criadores dos "Micci Amiatini" foi fundada com o objetivo de preservar a raça e promover a sua difusão. Finalmente, em 1997, o parlamento da Toscana incluiu o jumento Amiata no registro regional de recursos genéticos autoctonos (LR 50/97). A concretização destes objetivos é dificultada pela completa ausência de dados científicos sobre a reprodução, nutrição, criação e genética do jumento Amiata.

 

image71_thumb 

A estrutura demogenetica do jumento Amiata,  foi investigada usando informações de pedigrees. Dados genealógico de 602 jumentos criados na Toscana foram gravadas em um banco de dados e analisados pelo programa de computador ENDOG. O tamanho da população aumentou de 89 indivíduos em 1995 para 503 (129 machos e 374 fêmeas) em 2005. Os animais foram distribuídos em 152 rebanhos, sendo que eram originários de apenas 21 rebanhos, sugerindo que um pequeno número de criadores forneceram reprodutores para todos esses criatórios. O número máximo de gerações rastreadas foi de 4, a geração média máxima foi de 1,14, a média de uma geração completa foi de 0,53, e a geração média equivalente foi de 0,78. A média do coeficiente de parentesco (AR) em 503 animais vivos foi de 0,94%, enquanto o F médio foi de 0,29% para o tamanho efetivo populacional foi de 172,41. Entre os 24 animais com uma história de 4 geração, 3 (12,5%) foram de 25% pura. Apesar das informações genealógicas não estarem completas, o que não permite a inferência exata dos valores atuais da população de parâmetros genéticos, o presente trabalho representa um primeiro passo para uma gestão eficiente da raça.

 image_thumb211

Altura de cernelha aos 30 meses:
- Macho: 130-140 cm
- Fêmea: 125-135 cm

 

  • Ragusano / Ragusa

    image_thumb9111

Raça Italiana muito robusta. É caracterizada pela sua morfologia pesada. Mede entre de 1,35 e 1,40. Apesar de sua aparente tristeza tem um carater muito enérgico.

 

Originou-se na área de Ragusa, Modica, S. Croce Camerina Scicli na Sicília. É uma nova raça, reconhecida oficialmente em 1953, quando durante os estudos de seleção o Instituto de Crescimento dos Cavalos de Catania (eles mantêm o escritório de registro) foi capaz de corrigir algumas características.

 

Todos os jumentos que vivem na Sicília tem suas origens rastreadas até a à raça Pantelleria, especialmente na província de Trapani, e também para a raça geralmente chamada de Siciliana, presente em toda a ilha. O cruzamento das duas acima com a raça Martina Franca e do jumento Catalano, depois de várias passagens, produziu alguns bons exemplos.

 

image_thumb11111

Para além destes cruzamentos, alguns exemplos de um bom desenvolvimento e estrutura foram encontrados principalmente na província de Ragusa. Estes exemplos foram cruzados com relação estrita de sangue de modo que as características mais marcantes podem ser corrigidos rapidamente, pois eles ainda são encontrados hoje. É muito adequado para um clima agreste. Temperamento energético. Seus burros foram usados durante as guerras do século passado, nos Alpes, com grande sucesso.

 

  • Bourbonnais

image_thumb171

O Jumento Bourbonnais, nasceu em Auvergne, Allier, França. Muito popular na sua área e entorno, é chamado, até hoje de "o jumento milagroso!", um apelido que se encaixa bem, porque na verdade é uma característica que faz mover multidões. É representado na famosa feira Braize com os mais belos espécimes. A cada ano, dez mil pessoas se deslocam para admira-los.  O jumento de Bourbonnais pode se orgulhar de estar na vanguarda de conformação. Possui uma pelagem que varia do marrom claro para o chocolate, os membros listrados e uma cruz de Santo André. Além disso, como muitos jumentos, possui o estômago, a virilha, e o entorno dos olhos acinzentados. É muito menor que o primo e vizinho da região de Berry.

image_thumb1811 

A associação do jumento de Bourbonnais foi criado em 1994 para lutar até o final de 2002 para formalizar a raça. O jumento Bourbonnais tem sido reconhecido pela Coudelaria Nacional.

 

Tamanho aos 4 anos: Macho: de 1,25 a 1,35 m, fêmeas: de 1.18m para 1.28m.

Um comentário:

  1. Excellent ! I am truly impressed that there is so much about this subject that has been revealed and you did it so nicely.
    PEGA Training in Chennai

    ResponderExcluir